A ECONOMIA DE VIAGENS DE TURISMO

Publicado em 09/04/2018
Imagem do Artigo A ECONOMIA DE VIAGENS DE TURISMO

O ranking mundial da Indústria do Turismo


MONTEVIDEO, capital da República Oriental do Uruguay, eleita como a  ccidade que possui a Melhor Qualidade de Vida da América Latina (foto:Divulgação)

Os Estados Unidos (1º lugar) detém a pole position do Turismo Mundial com 488 B = Bilhões de $ = dólares, seguido pela China (2º lugar) com $ 224 B, a Alemanha (3º lugar) com $ 130,8 B, o Japão (4º lugar) com $ 106,7 B, o Reino Unido (5º lugar) com $ 103,7 B, a França (6º lugar) com $ 89,2 B, o México (7º lugar) com $ 79,7 B, a Itália (8º lugar) com $ 76,3 B, a Espanha (9º lugar) com $ 68,8 B e o Brasil (10º lugar) com $ 56,3 B. Lideramos na América do Sul, seguidos pela Agentina com $ 22,2 B. Porém, o Turismo argentino (18º lugar) é bem inferior ao de muitos países de outros continentes, como: Índia (11º lugar) com $ 41,6 B, Tailandia (12º lugar) com $ 36,4 B, Austrália (13º lugar) com $ 34,6 B, Canadá (14º lugar) com $ 28,5 B, Indonésia (15º lugar) com $ 28,2 B, Hong Kong (16º lugar) com $ 25 B e, Coréia do Sul (17º lugar) com $ 24,2 B. Na sequência vem a Venezuela (19º lugar) com $ 18,9 B, UAE (20º lugar) com $ 17,7 B. Este é o ranking atualizado, de 2017, das 20 (vinte) maiores Economias do Turismo Mundial.

O Uruguai ocupa a 67ª posição, com uma população de apenas 3,5 milhões de habitantes. É o 2º menor país da América do Sul mas, pela suas excelentes peculiaridades é reconhecido como “a Suiça da América”. Sua Capital, Montevidéu, tem a MELHOR QUALIDADE DE VIDA latino americana. Um país centrado no agronegócio. Exporta (bovinos, ovinos, carne, lã, couro, trigo, arroz e soja). A base de sua Indústria é têxtil, química, alimentícia e, muito desenvolvida em software.

O Uruguai é o 26º país fornecedor do Brasil. A Balança Comercial entre estes países irmãos, que já pertenceram à mesma Coroa Portuguesa, está assim constituída (dados de 2016): BRASIL = $ 2,507 bilhões X URUGUAI = $ 1,176 bilhões. O Brasil exporta 57,2 % de produtos básicos e 41 % de bens de valor agregado. Pelo nosso PNT – Plano Nacional de Turismo, lançado na terça-feira, 27 de março de 2018, o país quer dobrar seu número de turistas estrangeiros para 12 milhões, criando 2 milhões de novos empregos até 2022.

Para se ter a compreensão da importância do Turismo Mundial e, uma comparação aritmética, o Turismo desloca pelo planeta, anualmente, 1,3 bilhão de pessoas, gerando 292 milhões de empregos., isto é, cada trabalhador da área turística brasileira atende hoje 4,5 turistas. Este segmento movimenta a Economia com 7,6 trilhões de dólares. Desse total de turistas, o Brasil abocanha apenas 0,6 %, isto é, cerca de 6,5 milhões – para ser mais preciso - 6.588.770 turistas, em 2017 - e, da Receita Global, apenas 30,4 bilhões de dólares.

Nossas principais portas de entrada brasileiras passam por São Paulo (1º lugar), Rio de Janeiro (2º lugar) e Rio Grande dos Sul (3º lugar). Sendo que 62,4 % de nossos turistas são oriundos da América do Sul, nesta ordem: em 1º lugar está a Argentina, em 2º os Estados Unidos e, em 3º lugar, o Chile. Há um vácuo muito importante a ser preenchido pelos nossos irmãos uruguaios, na Economia do Turismo.

Com esta ação que ora estamos, em conjunto, promovendo, como este I Congresso Internacional da ABRAJET / CIPETUR, onde trazemos mais de uma centena de jornalistas brasileiros especializados em turismo, algumas autoridades e até uma delegação de artistas de Camaçari, Estado da Bahia (pólo petroquímico de grande magnitude à Economia de nosso país), demos o primeiro concreto e promissor passo, para o crescimento mútuo de divisas econômicas, que ajudarão a alavancar a Economia Turística do Uruguai.

Itemizando estes dispêndios, somente as Passagens aéreas de ida e volta de nossos jornalistas geraram um montante extraordinário de divisas, de, no mínimo, 60.000 dólares, ou aproximadamente 200 mil reais, ou, ainda, 1.800.00 pesos uruguaios. Se acrescentarmos, hospedagem = R$ 36.000,00 ou 300.000 pesos uruguaios com café da manhã por casal + almoço e jantar X 5 dias, teremos auferido cerca de 180.000 reais ou 1.500.000 pesos uruguaios. Acrescentando as despesas em ubers, transfers, passeios, festas, compras nas cidades uruguaias visitadas, presentes e compras em Frees Shops do Brasil e do Uruguai, extras no Tio Tom Arenas Resort, roupas, agasalhos, e despesas eventuais, verificamos estar contribuindo mutuamente com, nada menos do que 5.000.000 de pesos uruguaios ou + ou - 600.000 reais. Repito, em um simples cálculo aritmético. Sem nenhuma preocupação com a Estatística nem com a Micro e macroeconomias.

Gerar diretamente do Brasil para o Uruguai 5 milhões de pesos uruguaios ainda não totaliza as vantagens desse evento bilateral. Porque, o pós evento é ainda muito mais gratificante para a Economia Turística de los hermanos uruguaios. Para exemplificarmos um pouco melhor, tratemos de explicitar um case muito comum no dia a dia da Imprensa escrita brasileira. Isto é, um Jornal tabloide mediano, com uma boa tiragem de 10.000 exemplares e circulação gratuita e dirigida, cobra cerca de 20 mil reais por inserção de página colorida para um anúncio de qualquer Programa do Governo do Estado de São Paulo. Se for uma publicação para o Governo Federal, as cifras se elevam ainda mais.

Então, vejamos. Se dos 100 jornalistas abrajeteanos presentes ao I Congresso Internacional da ABRAJET / CIPETUR, 50 % tiverem espaço para publicação de, pelo menos, 1 (uma) página colorida ou mesmo em preto e branco, em jornais de todo o Brasil, nossos hermanos uruguaios ganharão em divulgação e espaço publicitário somente na Imprensa Escrita Brasileira, cerca de 2 milhões de reais ou 166 milhões de pesos uruguaios, como contrapartida à excelente acolhida que estamos recebendo.

Se somarmos a esta conta as divulgações em Revistas, em Televisões, emissoras de Radiodifusão, nas redes sociais e nas mídias digitais, possivelmente alcançaremos uma cifra que poderá alcançar 500 milhões de pesos uruguaios. Com nenhum custo a posteriori para o Turismo do Uruguai.

Do Ponto de vista cultural e turístico é muito enriquecedor este intercâmbio e, de dimensões intangíveis para o crescimento pessoal e intelectual de todos os envolvidos.

Nosso PNT também exige a modernização da EMBRATUR – Empresa Brasileira de Turismo, como por exemplo, a implantação do sistema de visto eletrônico (que reduz de 50 para 3 dias a autorização de viagem de um turista para o Brasil).

Queremos muito - e, estamos conseguindo -, acolher e ser acolhidos pelos nossos irmãos vizinhos e/ou distantes. Temos consciência que estamos impulsionando o Turismo Brasileiro e o Intercâmbio com os países parceiros.

O intelectual canadense, Hebert Marshall MacLuhan, pai da Comunicação, previu com exatidão que o Meio é a Mensagem. Que a Humanidade evoluiu em trê Civilizações: a oral e tribal, a Imprensa com relações sociais destribalizadas e, a atual Civilização de Eletricidade (Internet e Redes Digitais) que voltou a ser universalmente tribalizada. O Planeta Terra é uma Aldeia Global.

Muito proximadamente, em tempo recorde, de acordo com os objetivos preconizados pelo nosso Ministério do Turismo, hoje sendo conduzido por um Técnco que antes presidia a EMBRATUR, e pelo PNT – Plano Nacional de Turismo, deixado pelo seu antecessor, Ministro Marx Beltrão, aliados às metas muito claras que definem e criam a evolução contínua da política maior de expansão da ABRAJET, nos últimos 60 (sessenta) anos, os brasileiros deixarão de ser segundos e ocuparam o 1º lugar, o privilégio de serem os turistas que mais visitarão o Uruguai. A recíproca será verdadeira e ocorrerá. Com isso, a ABRAJET continuará implementando a relação ideal, onde, sempre, todos ganham!

(Pesquisa e Redação de Ivan Leyraud, Diretor Nacional de Operações da ABRAJET, especialmente idealizadas para Miriam Petrone, Presidente da ABRAJET – Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo).

 

Publicidade

Avianca

Publicidade - TV ABRAJET

Publicidade